A máfia da blogosfera
30
Jun 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:08link do post

No Prós e Contras de ontem ouvi algo que não esperava ouvir. É certo que se esperava a cartilha costumeira dos sindicalistas e os paninhos quentes dos seus opositores, com excepção de Armindo Monteiro, mas aquilo que ouvi da boca de Júlio Gomes no fim da sua intervenção - sim, porque o meio teve muito que se lhe diga - foi de uma coragem e lucidez raras.

A critica mais que certeira à falta de legitimidade democrática dos sindicatos para intervirem na criação de legislação laboral era necessária há muito tempo. Num Estado de Direito, a lei é criada e discutida na Assembleia da República. É lá que estão os legítimos representantes do povo e não nos sindicatos. O diálogo com os sindicatos é, as mais das vezes, uma multiplicação da importância de pequenos partidos que não receberam o voto dos eleitores e que se querem colocar em bicos de pés para decidirem aquilo que não podem, ou pelo menos, não deveriam poder decidir. É imperativo que a chachada do diálogo com os parceiros sociais acabe quando se fala em legislação e que os sindicatos deixem de fazer lei. Não podem, não têm esse direito e de cada vez que o fazem, dão uma machadada no regime. Colocam mais um prego no caixão da democracia portuguesa.


Não sei se é correcto chamar "lei" ao que sai da concertação social.
Mas assim de repente, dir-se-ia defende uma democracia que se esgota no voto e cristaliza no hemiciclo, o que me parece uma coisa demasiado autista.

Quantas vezes não se ouve a critica de deixar as decisões para uns "iluminados"?
Será que a concertação não permite precisamente trazer para a discussão mais pontos de vista, mais pluralidade, em casos concretos?

Quando se critica o governo actual por fazer a reforma da educação contra os professores não será por ter seguido precisamente esse caminho?
l.rodrigues a 1 de Julho de 2009 às 12:44

Luís,

O problema é o da legitimidade democrática. Os sindicatos não a têm, como tal, é absurdo que façam lei ou que sequer contribuam da forma como contribuem, como se fossem verdadeiras autoridades.

Creio que isso depende do que entenda por legitimidade democrática. Para mim, basta que representem uma parte substancial dos trabalhadores para serem ouvidos.

Não suponho que o voto que deposito de 4 em 4 anos seja um cheque em branco para os deputados que ajudei a eleger. E espero que não me venham pedir para me pronunciar em referendo sobre os problemas laborais da Quimonda.

A democracia tem camadas... na minha opinião. Como os Ogres e as cebolas.
l.rodrigues a 1 de Julho de 2009 às 17:38

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar