A máfia da blogosfera
20
Jun 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 15:14link do post

O vazio ideológico que domina tanto a direita como a esquerda em Portugal, e claro que em ambos os termos coloco umas gigantescas aspas por não considerar que haja verdadeiramente disso no nosso país, leva a que, neste momento, já não se discutam ideias, mas pessoas. O que se discute nestas eleições não é a social-democracia socrática ou a social-democracia ferreira-leitista que, tirando algumas questões quase fracturantes, propositadamente fracturantes porque resta muito pouco para discutir, são iguais. O que se discute verdadeiramente são as personalidades dos líderes. A mudividência de José Sócrates, a idade de Ferreira Leite, a arrogância do primeiro, a fraca capacidade de comunicação da segunda. Tudo questões que não deveriam importar a absolutamente ninguém quando vota. Quando se votar em Outubro, não vão aparecer as larocas carinhas de cada um, mas sim o símbolo dos partidos que deveriam ter por detrás ideias, ideologia. Falta isso em Portugal. E essa falta de ideologia tanto de um lado como do outro, a febre da realpolitik, leva a que o João Távora defenda que a direita se deve unir, leva a que o André Abrantes Amaral defenda que a direita se deve unir, leva a que, em Lisboa, comunistas, bloquistas e socialistas se juntem contra o demoníaco monstro da AD alfacinha. Leva a que todos se perguntem pelos motivos de José Sócrates não pertencer ao partido Social Democrata ou pelos motivos de o CDS não se fundir no PSD. Este vazio, que conduz, claro está, ao oportunismo e incoerência apenas fortalece as forças radicais que, pelo menos, têm marcas ideológicas muito bem definidas e não mudam de ideias a cada semana que passa. Chega de votar no A ou no B. É preciso começar a votar-se em ideias e para isso é preciso que haja ideias. Por isto, aquilo que se deve pedir aos partidos, já que entrar no meio é uma missão quase impossível, não é que façam melhores fintas aos jornalistas para que ganhem com margem reduzida daqui a três meses. O que é preciso pedir aos partidos são cartas de princípios, manifestos, ideais. Coisas palpáveis, coisas que se possam discutir. Isto para que toda o comentário político nacional não seja em torno dos cabelos brancos que Sócrates vai ganhando ou da quantidade de netos que Manuela Ferreira Leite já tem.


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar