A máfia da blogosfera
02
Ago 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 14:50link do post | comentar

Dá-me um gosto tremendo ler um qualquer artigo inglês ou americano e perceber que mesmo as elites têm, antes dos seus nomes, um simples Mr ou Mrs. Pode ser um canalizador, um electricista, um advogado, um político, não interessa. Venero esta capacidade dos anglo-saxónicos de mandar às urtigas a profissão, os estudos ou a condição social dos interlocutores e perceber que é respeitoso que chegue o simples tratamento que em Portugal se poderia traduzir por senhor e senhora.

Nisto somos do mais tacanho que pode haver. Nesta nossa fétida praia um tipo com uma licenciatura mal tirada é um doutor, um engenheiro, um professor. Parece que há um qualquer prazer em tornar público que se leu meia dúzia de livros no final da adolescência e que comprámos uma capa preta com que percorremos as ruas de Coimbra na noite da queima das fitas.
Só num país de gente parola, atrasada e provinciana pode ser um motivo de orgulho uma diferenciação destas. Em tempos idos e em lugares longínquos coisas destas faziam saltar cabeças. Não lhes cabe um alfinete no rabinho diplomado. Tristes.

Doutores e coronéis...
Eugénia de Vasconcellos a 2 de Agosto de 2009 às 17:38

Tens toda a razão. Nunca mais me esqueço uma discussão que tive com o Director da minha escola porque sem querer chamei-lhe senhor. E ele, Senhor?! Fique sabendo que eu sou doutor. Ao passo que eu digo. Desculpe mas doutor não é. A não ser que seja médico, ou que tenho um doutorado, coisa que não me parece.
Ele não gosta muito de mim.
Daniela Major a 2 de Agosto de 2009 às 17:48

Outro post muito, muito certeiro. Caramba, Mr. Tiago, tem estado on fire! Além de que o uso de Mr ou Sr não discrimina, suscita relações de respeito bem aprazíveis.


João Pedro a 2 de Agosto de 2009 às 19:38

Caro Tiago,

Não é verdade, pelo menos no Reino Unido. Eles têm MUITO cuidado com os títulos e usam-nos de forma escrupulosamente correcta, mas usam-nos na mesma.

Assim, se alguém for doutorado, leva um Dr. antes do nome. Se for "Full Professor" (i.e. Catedrático), leve um Prof. Se for cavaleiro (i.e. Knight), eles não se esquecem do Sir e se fosse nobre, muito menos do Lord.

O que se passa normalmente é que as pessoas que aparecem nas notícias não têm, de facto, formação ou direito aos títulos referidos acima, daí serem, e bem, referenciados por Mr. Já o feminino Ms. (Miss) tornou-se universal de forma a não ofender mulheres não-casadas que deveriam ser correctamente chamadas de Mrs. Apelido-do-marido.

Uma coisa que é verdade é que as pessoas não fazem, por norma, gala do seu estatudo e preferem ser tratadas por Mister, pois consideram que o estatuto é uma responsabilidade e não um direito.

No entato, este apego às formas correctas de tratamento dá origem a situações caricatas e com piada, como nos bilhetes de avião (e em situações em que o título, por uma questão de cortesia, é referenciado) as crianças serem tratadas por Master.
Carlos Duarte a 3 de Agosto de 2009 às 11:56

Caro Carlos,

Provavelmente fiz uma indução das más. A amostra devia ser realmente reduzida. Tinha ideia que o Sir e o Lord apareciam sempre, do Dr. e do Prof. não fazia ideia.

Obrigado pelo comentário :)

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar