A máfia da blogosfera
07
Jun 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 20:00link do post | comentar

Agora que as urnas estão fechadas e que acabou o forrobodó pré-eleitoral, é tempo de fazer um balanço sobre estas semanas que passaram. Se calhar é inútil, já lá vai, mas não importa. Não fossem as inutilidades e frivolidades e que aborrecido que tudo isto seria.

A campanha eleitoral foi má, manifestamente má. E não o digo apenas porque fica bem dizê-lo. Se é certo que era absurdo discutir apenas Europa e nada de Portugal, o inverso era ainda mais estúpido. Foi ainda mais estúpido. E as próprias aparições e debates foram ridículos. Salganhadas tamanhas no Prós e Contras, uma gritaria descomunal, ruído que não deixava ouvir, o supérfluo a dominar sobre o essencial. Não se discutiram leis europeias, como a directiva do retorno, as hiper-regulamentações sobre os produtos agrícolas, as políticas comuns, o orçamento comunitário. Ficou tudo por dizer, todas as posições ficaram omissas. Falou-se dos off shores por causa da crise, que se estivessemos em período de properidade, nem isso. Pessoalizou-se o debate: porrada no primeiro de Maio, encostos ao BPN, debates rasteiros, rasteirinhos. E lá fora não foi diferente, com invasões a propriedades privadas e publicação de cenas da intimidade de cada um.

Ouvi no outro dia alguém dizer que esta foi uma campanha europeia como são as campanhas europeias. Se calhar é verdade. Se calhar queremos tanto ou tão pouco a nós próprios e ao nosso destino que nos prestamos a discutir a cor dos olhos do candidato ou simplesmente a fugir e deixar que os outros tratem do assunto. É pena. Já foi. E, infelizmente, este balanço não irá mudar nada.

Primeiro Aniversário: Faltam 3 dias

E a cereja em cima do bolo são os 60% que a direita conseguiu alcançar em Portugal!
manuel gouveia a 7 de Junho de 2009 às 22:32

Manuel, o que é «direita»?

Não está à vista? É o CDS-PSD-PS, só estava a falar da direita eleita, como é óbvio!

Volto a perguntar: o que é «direita»?

Um conceito que incomoda, uma convergência de políticas, uma atitutde, materialmente: CDS-PSD-PS.

Que conceito que incomoda, uma convergência de que políticas, que atitude?

O desmontar dos serviços públicos, o fim da escola pública, do SNS, o aprisionamento do Ministério Público, o desmantelamento da Judiciária, o fim de políticas sociais minimamente sérias, o primado do patrão saloio, enfim... uma atitude!

Há algum partido em Portugal que defenda, que tenha nos seus programas, o fim da escola pública, o fim do SNS, o desmantelamento da judiciária ou o fim das políticas sociais? Algum defende o fim do subsidio de desemprego, do abono de família, das reformas aos idosos, etc.?

A direita, de forma subliminar e activa nas políticas de governo. Mesmo os mais incautos dão-se conta disso.

O PSD e o CDS defendem o fim da escola pública, o fim do SNS, o desmantelamento da judiciária ou o fim das políticas sociais? Algum defende o fim do subsidio de desemprego, do abono de família, das reformas aos idosos, etc.?

Existem muitas formas de se lhes pôr um fim... como por exemplo o complemento ao idoso que serve na prática para dispensar o estado de pagar reformas dignas, poupando-se dinheiro uma vez que só idosos com filhos em situação económica difícil recebem o dito complemento.

O Manuel não consegue dizer explicitamente em que é que o PSD e o CDS são de direita e agora até está a usar uma política do PS para fundamentar a tese. Deixe lá, há mais, muito mais, gente a fazer essa distinção sem sentido. O PS, o PSD e o CDS são os três de centro esquerda, uns mais reaccionários em matéria de valores, outros menos, mas em questões políticas são todos social-democratas/democratas-cristãos. Em Portugal, tirando o PNR, não há direita.

Ah! Finalmente sinto-me esclarecido! Bem me parecia que o CDS por vezes se confundia com o BE...

O BE é extrema esquerda, diferente. Trotskismo.

Mais saco de gatos, quando se puxa de lá um, regra geral amansa...

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar