A máfia da blogosfera
06
Jun 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:15link do post | comentar

O maior paradoxo destas eleições europeias é o facto de as grandes surpresas «positivas» virem de partidos que, na sua génese, são contra a integração europeia. Os movimentos nacionalistas estão em crescendo, cinquenta e tal anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, e muito podemos agradecer a Bruxelas e a Estrasburgo. Por toda essa Europa as intenções de voto vão aumentando para os neo-nazis, neo-fascistas, neo-nacionalistas, o que lhes quiserem chamar. O nome não interessa. O importante é que estão a mexer-se e a crescer. Na Áustria a situação é francamente preocupante, mas também na Holanda o movimento nacionalista obteve uma grande vitória nestas eleições, assumindo-se como segunda, repito, segunda força política, ficando apenas atrás do partido do governo. Mesmo em Portugal temos, pela primeira vez, uma lista de um partido nacionalista a concorrer - o tempo de antena de hoje tinha Jean-Marie le Penn a falar do grande ecrã.

A questão é simples: nos países ricos os movimentos queixam-se por terem de sustentar os países pobres; nos países pobres, dependentes dos fundos, estupidificados há décadas, os partidos queixam-se, pois a cara dependência tem a coroa diminuição da soberania. A Europa está a matar-se por dentro e temo honestamente que ao mais longo período de paz no velho continente se siga algo que não imaginamos nem nos nossos piores pesadelos.

Tag:
Primeiro Aniversário: Faltam 4 dias

Algumas coisas a comentar:

- Eu sei que não enche os jornais (pois não é sensacionalista) mas existiram outros vencedores mais moderados. Por exemplo o D66 passou de 1 para 3 deputados, o que foi uma vitória estrondosa e, essa sim, extremamente positiva.

"...e muito podemos agradecer a Bruxelas e a Estrasburgo..." Desculpa discordar mas aqui a culpa vem toda dos partidos de poder tradicionais. "bruxelas" não tem nada a ver com o assunto.

"Mesmo em Portugal temos, pela primeira vez, uma lista de um partido nacionalista a concorrer"

Não é a 1ª vez! Para quem esteve atento este partido já concorreu a várias eleições...


"A Europa está a matar-se por dentro e temo honestamente que ao mais longo período de paz no velho continente se siga algo que não imaginamos nem nos nossos piores pesadelos."

Também imagino o pior e é por isso que os "eurocepticos" deveriam ter muito cuidado com o tipo de discurso que promoveram. Por exemplo o discurso do PSD nestas eleições foi de uma irresponsabilidade atroz.
Stran a 6 de Junho de 2009 às 14:49

Podemos agradecer a Bruxelas e a Estrasburgo porque estão manifestamente a instaurar uma quase-ditadura. Tu ou eu interferimos em alguma coisa que se legisla em Estrasburgo ou que se decide em Bruxelas?
Nem sobre tratados nos podemos pronunciar. Representatividade sim, mas votar num partido não significa deixar na sua mão a minha vida sem que haja nuances.

É a primeira vez às europeias.

Não vi propriamente irresponsabilidades no discurso do PSD. Falas do quê?

"Tu ou eu interferimos em alguma coisa que se legisla em Estrasburgo ou que se decide em Bruxelas?"

Sim e muito. Interferimos hoje quando formos votar (o PE tem um grande poder) e também e muito quando votamos nas lesgislativas. Aliás esta coisa de atribuir culpas a bruxelas é em tudo identico ao motivo pelo qual os muçulmanos obrigam as mulheres a utilizar o veu, isto é uma externalização de um problema que é interno.

"Nem sobre tratados nos podemos pronunciar"

Só não nos pronunciamos porque somos pouco exigentes, vê a abstenção de hoje: passamos a vida a nos queixarmos de que a europa não é democratica, que queremos influenciar mas directamente as politicas europeias, e depois quando realmente podemos abstemo-nos. No minimo isto é esquizófrenia...

"Não vi propriamente irresponsabilidades no discurso do PSD. Falas do quê?"

Dos Slogans nacionalistas do PSD. Introduzir esse discurso num partido mainstream é legitimar por exemplo as posições do PNR, que com o passar do tempo ainda será visto como "normal" e isso é muito perigoso e irresponsável. Julgo que não é altura para populismos...

Stran a 7 de Junho de 2009 às 15:22

Stran, a UE está cada vez menos democrática e é Bruxelas e o Parlamento quem o decide cada vez mais...
Há uma série de coisas que foram feitas e sobre as quais nunca te pronunciaste. Esta UE não é uma democracia representativa, é uma democracia representativa de uma democracia representativa. De quatro em quatro anos dizes alguma coisa, mas no meio ninguém te pede opinião. E aqueles setecentos e tal deputados, melhor, eurodeputados, legislam livremente sem que haja informação, sem que haja protesto. Uma lei portuguesa é contestada nas ruas. Uma lei europeia nem sequer é conhecida da maioria...
E não me digas que é porque não nos interessamos. Os políticos trabalham para nós, o mínimo a que têm de se prestar é a dar contas do seu trabalho...

Quanto aos slogans, falas de quais?! É que nenhum me pareceu propriamente nacionalista...

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar