A máfia da blogosfera
31
Mai 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:31link do post | comentar

A TVI24 criou um programa apresentado pelo menino bonito das revistas portuguesas, o Pedro Granger, no qual um bando de jovens se senta em bancos coloridos e discute. É. É bom. Vamos trazer os jovens para a política.

O problema é que vemos nestes programas, e eu de vez em quando vejo, a completa falta de capacidade dos jovens em expressar-se em português correcto, em criar um raciocínio lógico, a ter uma discussão inteligente. Há excepções, sim. Mas aqui estou a falar da regra. Não estou a dizer que isto é mau. Às vezes só com trabalho é que uma cabeça perra começa a funcionar. Mas isto é simplesmente o retrato do que é esta geração mais que rasca. Uma geração dominada pelo pensamento único português, que não teve pais capazes de os fazer pensar, que foi entregue a uma educação universal criada e imposta por esse mesmo pensamento único que os tratou como se fossem animais necessitados de domesticação. Em quantas aulas estes jovens tiveram um debate de ideias? Quantas vezes em dezassete, dezoito, dezanove ou vinte anos ofereceram a estes jovens um livro pelo Natal? Agradeçamos aos responsáveis. A geração de Abril criou uma geração de Março.


Viva o Programa Novas Oportunidades! Viva o Magalhães! Vivam os cursos EFA. Estamos a criar idiotas, ou a reciclá-los. É a nova pedagogia. Os debates de ideias não servem para nada se não se souber ler e escrever. E há muitos anos que o saber ler e escrever não faz parte dos programas educativos. Hoje a pedagogia sublimou este clima de estupidez. Tudo se resume a reflexões críticas e avaliações qualitativas - o que não deixa de ser irónico, pois qualidade é algo que não se aplica ao panorama educativo português...
Nuno Resende a 31 de Maio de 2009 às 18:39

Tiago tens toda a razão. E a culpa, para mim, continua a ser dos pais. Qual é o pai ou a mãe que tem pachorra para falar, explicar,debater com o filho/a questões de política, sociedade, cultura, livros etc.?
Qual é o pai que desde os 6, 7, 8, 9 anos dá livros aos filhos para eles lerem? A maior parte deve achar que isso é obrigação da escola. A verdade é que os paizinhos, saídos da tal geração de Abril, começaram a dar tudo por garantido, e acharam que as coisas haviam de se resolver. Perdeu-se a exigência, o gosto pelo saber, pela cultura, o respeito pelos professores, etc etc.
Daniela Major a 31 de Maio de 2009 às 21:43

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar