A máfia da blogosfera
15
Set 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:23link do post | comentar
O Lehman Brothers vai declarar falência. Era inevitável, perdeu cerca de 90% do seu valor em bolsa nos últimos meses e as únicas soluções seriam abrir falência, ser comprado por outro banco ou ser nacionalizado como o Freddie e a Fannie. Das três opções a falência parece-me ser a melhor. Apesar de não estar muito por dentro do sistema financeiro americano, as notícias e debates blogosféricos dos últimos tempos permitiram-me algumas luzes e a verdade é que tudo o que se está a passar no mercado americano deve-se à falta de mercado. Para muitos defensores do socialismo, o que se passa na América é a prova do fim do capitalismo e a prova de que o mercado não funciona, mas não é bem assim. O que se passa na América é tão-só a prova de que o mercado tem de ser regulado e muito bem policiado e de que, afinal, não havia assim tanto mercado nos EUA. Para quem não sabe, no mercado existe uma espécie de objectivo último que é a criação do "mercado de concorrência perfeita", que tem como características a homogeneidade (a comercialização de produtos indiferenciados), a atomicidade (todas as empresas terem a mesma dimensão), a transparência (toda a informação sobre o mercado estar ao dispor de qualquer um), a permeabilidade (a possibilidade de entrada de qualquer um no mercado) e a mobilidade (a possibilidade de se mudar de negócio facilmente).
Qualquer pessoa nesta fase poderá facilmente concluir que o sistema financeiro americano não era um mercado de concorrência perfeita, dado o facto de haver "gigantes", como o Lehman ou o Freddie. A existência de gigantes vem tornar uma missão quase impossível a entrada de novos investidores naquele mercado (nunca se questionaram porque é que em Portugal não aparecem bancos novos?), ou seja, deixa de haver atomicidade e permeabilidade.
Neste cenário, o melhor que pode acontecer ao mercado é um gigante abrir falência. Bem sei que trará o caos financeiro, mas o mercado regenera-se e ao faltar o Lehman, outros virão "fechar o buraco". Ou seja, a falência deste gigante vai permitir a criação de um mercado mais permeável e onde as empresas se aproximam na dimensão. Continuo a considerar a nacionalização do Freddie e da Fannie um erro, simplesmente porque aquilo se tratou de tranferir prejuízos privados para prejuízos públicos, obrigando-se os contribuintes americanos a pagar aquela falha do mercado. Pode ser que a partir de agora os americanos percebam que o mercado tem de ser vigiado e bastante para que da próxima a queda não seja assim tão grande.

Leitura adicional: Um Caminho sem Retorno

E porque é que a falência dum banco americano nos vai afectar a nós, europeus?
roserouge a 15 de Setembro de 2008 às 22:05

Aquele banco tem dependências na Europa. Para além disso, a bolsa é uma grande malha e muitas empresas europeias detinham acções do Lehman tal como o Lehman tinha muitas acções de empresas europeias. Efeito dominó, mais ou menos...
Tiago Moreira Ramalho a 15 de Setembro de 2008 às 22:28

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar