A máfia da blogosfera
25
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 18:26link do post | comentar

Juiz estranha celeridade invulgar” no processo de licenciamento do Freeport

 

O primeiro juiz de instrução do caso Freeport estranhou a “celeridade invulgar” e “um andamento inusitado” no processo, segundo o que escreveu num despacho de Fevereiro de 2005, noticiou hoje o “Diário de Notícias”.

“O processo que conduziu à construção e funcionamento do complexo industrial apresenta várias irregularidades e um andamento inusitado”, escreve o magistrado do Tribunal do Montijo no despacho datado de Fevereiro de 2005.

O juiz salientou que, quando o projecto obteve o parecer pretendido, o desenvolvimento do processo “conheceu uma celeridade invulgar, decorrendo em 20 dias e não nos 100 dias usuais”. Apesar de não ter licença de utilização, o Freeport foi inaugurado em Setembro de 2004.

Antes disso, o projecto tinha recebido pareceres desfavoráveis em dois estudos de impacto ambiental, de Outubro de 2000 e Dezembro de 2001. A terceira avaliação ambiental, de Janeiro de 2002, acabou na aprovação do projecto, a 14 de Março do mesmo ano, com uma série de condicionantes. Nesse mesmo dia, o Governo alterou os limites da Zona de Protecção Especial (ZPE) do Estuário do Tejo, criada em 1994 com cerca de 44 mil hectares. A ideia desta área era proteger uma zona especial de interesse para a conservação da avifauna, servindo de tampão entre zonas naturais mais relevantes e espaços urbanos.

Carlos Guerra, à altura presidente do Instituto da Conservação da Natureza (ICN), disse ao “Diário de Notícias” que está um pouco surpreendido com a recente polémica. “É preciso recordar que onde está hoje o Freeport estava uma fábrica de pneus”.

O antigo responsável do ICN (hoje Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade, ICNB) rejeitou a “celeridade invulgar” do processo. “O processo vinha de 1999. Era mais do que conhecido pelos serviços. Por isso, quando se verificou que todas as condições estavam cumpridas pelo promotor, foi aprovado”.

 

Um juiz, cuja função ainda é julgar, apesar de a populaça assumir o papel amiúde, diz que o processo apresentou várias irregularidades. Para além disso suspeita da celeridade do processo. Por seu turno um responsável de um órgão governamental (sabemos que normalmente são nomeados por serem competentes)  diz que não. Um sabe de leis, o outro sabe de Conservação da Natureza. Não quero ser desconfiado, mas...


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 12:03link do post | comentar | ver comentários (1)

 

No Portugal Contemporâneo o Pedro Arroja escreveu um post que também em mim despertou uma pequena reflexão.

A ideia de que o exemplo tem de vir de cima, tantas vezes repetida, é bastante ambígua: tanto pode dar-nos conta de uma sociedade autocrática ou de uma democracia em que o povo tem uma forte consciência moral.

Numa sociedade autocrática o povo esperará que o seu líder lhe diga o que fazer, o que é certo e o que é errado, abdicando da sua capacidade de reflectir acerca da sua conduta moral: o servilismo no seu estado puro, encontrado, por exemplo, na religião.

Por outro lado, numa sociedade democrática, o "exemplo vem de cima" no sentido em que quem está em cima deve ser exemplar, caso contrário, não é merecedor de liderar - a América é um exemplo muito bom disto: se há escândalo, há demissão. Caso quem está em cima não seja exemplar, o povo que o escolheu sente-se defraudado e vê-se no dever de remediar o mal feito, escolhendo alguém melhor.

Felizmente, ainda vejo em Portugal uma sociedade democrática. Acredito que não o seja tanto como outras, mas é realmente bom ver que ainda nos chocamos com casos de corrupção como o que se avizinha: em vez de seguirmos o mau exemplo, ainda nos preocupamos em procurar um exemplo melhor.

Tag:

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:35link do post | comentar | ver comentários (1)

 

Alguém se lembra da Sofia Barbosa que ganhou a Operação Triunfo há uns anos?


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:44link do post | comentar | ver comentários (1)

Sócrates demarca-se do tio e do primo e promete resistir à "perseguição"

 

Público


24
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 19:40link do post | comentar | ver comentários (1)

 

24 de Janeiro de 2009

Manifestação de apoio aos palestinianos à frente da CML

 

Foto: João da Bôa


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 13:04link do post | comentar | ver comentários (2)

disse o que tinha a dizer sobre o PPM há pouco tempo, aquando do fim d' O Atlântico. Não mudei de opinião e por isso o seu ABC vai direitinho para a minha lista de preferências. Seja muito benvindo.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 08:49link do post | comentar | ver comentários (2)

Paulo Pedroso decidiu abandonar o Parlamento para se candidatar a uma autarquia. Isso não traria problema algum, não se desse o facto de a autarquia escolhida ser a de Almada. A derrota é um dado adquirido, por um conjunto de razões.

Em primeiro lugar, Almada é, desde 1974, "território comunista". Trinta e cinco anos de gestão autárquica comunista, sem oposição digna desse nome, levaram a uma Almada que se pensa muito desenvolvida à conta das duas lideranças que teve (sim, Almada em trinta e cinco anos só teve dois Presidentes da Câmara). Apesar de nunca ter feito nada substancial por Almada, o Partido Comunista é o único possível para a maioria da população.

Poder-se-ia pensar que com o afastamento de Maria Emília de Sousa o PCP-Almada ficaria fragilizado. Resolveu-se: durante este mandato o metro de Almada foi posto a funcionar, construiu-se mais uma biblioteca, renovou-se muito do centro da cidade, construiram-se mais dois complexos desportivos, para além das escolas. Há a enraizada ideia de que o PCP fez muito pelos almadenses (apesar de esse muito ter meia dúzia de anos).

Há ainda o problema inerente a Paulo Pedroso. É que vivemos num país no qual se é inocente até que se prove o contrário, mas a flôr-de-lis é carregada para sempre por aqueles sobre os quais recai qualquer das suspeitas, ainda para mais se for uma suspeita como a que persegue Paulo Pedroso há anos. "Se há fumo há fogo", é das frases mais repetidas nesta nossa praia, e se o povo desconfia, não há nada a fazer. Paulo Pedroso em Almada é um nado-morto.

Tag:

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 08:46link do post | comentar | ver comentários (3)

Banca salva Berardo da falência

 

Expresso


23
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 12:35link do post | comentar | ver comentários (5)

José Sócrates é um indivíduo propenso ao mexerico. Primeiro, logo que se apresentou como candidato, foi o rumor de que era homossexual e amante do Diogo Infante. Depois veio a história da licenciatura, cujo diploma foi emitido a um domingo, dia em que até Deus descansa. Depois veio a eleição dos mais sexy do mundo e lá ficou ele em 6º lugar, o que, com aquele nariz, só pode ser explicado com um forte lobbying junto do El País. Agora voltam as acusações de irregularidades em relação ao Freeport.

Obviamente, a primeira foi rumor, a segunda ainda está mal explicada e a terceira foi fait-divers jornalístico. O que é problemático mesmo são as acusações de envolvimento em irregularidades. Não foram portugueses a criar a suspeita, tal como diz o Vasco Lobo Xavier, não surgiu em blogues ou na comunicação social. Surgiu em Inglaterra e está tudo a ser conduzido pela polícia inglesa, à qual pouco deve importar se o ano é de eleições ou não. A verdade é que se fosse na América, muito provavelmente isto constituiria um escândalo nacional que levaria à demissão do Primeiro Ministro. Mas estamos no Portugal do "inocente até que se prove o contrário", que significa, regra geral, inocente eternamente. Conspirações, só na cabeça de Sócrates e Santos Silva.

 

Comentário do Joaquim Santos (Palavrosavrvs Rex)

 

"O modo como Sócrates sempre lidou com a lepra que os factos ratazanais do seu passado acarretaram para a sua imagem, pressionando ou condicionando quem pôde, como foi vingativo com os professores ao instaurar irresponsavelmente nas escolas uma Sodoma e uma Gomorra com as impensáveis gonorreias da conflitualidade, do ADD ao ECD; o modo como gere agora sorridentemente este dossiê de iniciativa inglesa, mostra claramente em que conta tem os portugueses e a opinião inteligente dos portugueses: NENHUMA.

Se lhe tivesse visto alguma vez PRAZER em sujar-se de portugueses, de gente rente ao chão devido a políticas ou a infortúnios, a ter sensibilidade e experiência de outra coisa que esgueirar-se nos corredores do aparelho e nas tricas de partido, quem sabe se me não mereceria uma 'nova oportunidade'?!

ASS, Augusto Santos Silva, autêntico ministro nervoso da propaganda, espécie de Joseph Goebbels do seu führer, fuinhasmente defende o indefensável e argumenta o inargumentável. Os ingleses couldn't care less acerca das nossas eleições, embora tenham pena de nós com os crápulas desonestos que se alojam no Arco do Poder e desolaram o País em proveito próprio.

Em qualquer caso, aquela determinação sempre me pareceu e era apenas CRUELDADE e uma profunda Falta de Educação novo-riquista no pior dos sentidos.

Não podia cheirar pior, caro Tiago."


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:45link do post | comentar | ver comentários (2)

No Parlamento continua a guerra pela avaliação. O CDS, apesar de tantas vezes me desagradar, está a fazer uma luta aguerrida contra o governo para pôr termo a esta avaliação. A bancada do PS, aquele bando de marionetas, tem de votar como o ministro Augusto Santos Silva diz, porque caso contrário, nos próximos quatro anos têm de ir trabalhar. E assim se continua na "casa da democracia". Gostava apenas de citar de memória Diogo Feio: "se o projecto do CDS perder, o PS pode ganhar o Parlamento, mas vai perder o país".


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:40link do post | comentar

Contas 'offshore' de tio de Sócrates suspeitas de viabilizar Freeport

 

Diário de Notícias


22
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 22:07link do post | comentar | ver comentários (2)

Há, há algum tempo, um consenso generalizado em relação à má situação das finanças públicas. Temos uma administração pública francamente ineficiente, o que leva a défices orçamentais sucessivos (as pessoas já nem se lembram que o superavit existe), o que por sua vez leva a dívidas públicas insustentáveis. É também evidente que todo um país vive acima das suas possibilidades, pois as taxas de juro são absurdamente baixas, o que constitui um estímulo à contracção de crédito, o que resulta numa dívida externa que quase representa o total que produzimos ao longo de um ano. Começa também a haver algum consenso em relação ao falhanço do governo na estabilização destas contas públicas. Se é certo que actualmente estamos em crise e temos de ser mãos largas, entre 2005 e 2007 os efeitos da crise não se faziam sentir em Portugal - francamente, acho que a crise financeira ainda não se faz sentir propriamente no nosso país, apenas dá jeito que se pense que a estamos a viver. A prova deste falhanço é a descida do rating de Portugal na Standard & Poor's, o que na prática significa que é "arriscado" emprestar-nos dinheiro e, por conseguinte, teremos de pagar o risco com taxas de juro mais elevadas. É neste contexto, com juros da dívida pública a aumentar, com um défice excessivo e com uma situação financeira quase insustentável que José Sócrates entra em acção com os seus pacotes-anti-crise, com os grandes projectos de Obras Públicas (muito guterristas, diga-se) e com as grandes frases tipo "eu posso-me arrepender de muita coisa, mas há uma coisa de que não me arrependo: foi de não ter agido", com aquele ar dramático com olhos semi-cerrados e voz quase fantasmagórica. Pois que continue o circo, que aqui o palhaço vai acompanhando os acontecimentos.

Primeiro Aniversário: o circo está a arder e os bombeiros não têm gasolina

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 17:28link do post | comentar | ver comentários (3)

1. O Amêijoa Fresca, cujo verdadeiro nome é Manuel Brás, que me habituei a ler nas caixas de comentários do Corta-fitas criou um blogue. Mas é que vai direitinho para a barra da direita.

 

2. Também para a barra da direita vai o sempre excelente Despertar da Mente do Jorge Assunção.

 

3. O Do Miradouro do A. João Soares, que já é da casa, está também na minha lista de paragens obrigatórias.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 16:18link do post | comentar | ver comentários (1)

Sobre o Parlamento, muito se diz e escreve por aí, mas li poucas coisas como a análise feita no Jumento sobre os, tal como o autor os descreve, embustes parlamentares. Se no mundo ocidental a pedofilia é cada vez mais um problema, no Islão é cada vez mais aceite, é sobre isso que o excelente José Saramago escreve aqui. E sobre as vacas plantadas em Lisboa para chamar a atenção para as nove ilhas azorianas, recomendo o post de Margarida Corrêa de Aguiar. O Rui Bebiano deixa aqui um pedaço da mais pura ironia quando escreve sobre o Mundial de 2018.

 

 

A múmia de Lenine ainda leva à criação de belos textos, é o caso deste do João Tunes. Sobre as peripécias de Obama, a Helena Matos levanta uma bela questão. O Daniel Santos revela-nos aqui o segredo dos blogues de massas. Por fim, uma análise excelente feita pela Sofia Rocha sobre a diferença que há entre a sua geração de 60 e a geração dos que têm 60, em relação à forma de encarar a política - resta imaginar as assombrosas diferenças dos que têm 60 com os das gerações de 70, 80 e 90.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 14:00link do post | comentar

Cinco mil professores na reforma desde Março

 

Jornal de Notícias


21
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 21:28link do post | comentar | ver comentários (2)

Se há quem diga que os blogues não têm importância nenhuma, como o Miguel Sousa Tavares, há também quem diga que tem mais poder no seu blogue que um secretário de Estado, como o José Pacheco Pereira. Num raro acesso não sei de quê, tendo a concordar com José Pacheco Pereira: os blogues são e serão cada vez mais fortes armas políticas. E um belíssimo exemplo é o do excelente Educação do meu Umbigo do Paulo Guinote, que, diga-se, é o quinto blogue mais lido em Portugal, e vai agora pedir um parecer jurídico a Garcia Pereira para que se avalie a conformidade da mais recente legislação vinda do Ministério da Educação com a Lei de Bases do Sistema de Ensino. Nada mais simples: um blogue com mais de 5000 visitas diárias criou um grupo de 50 para núcleo duro e vai criar uma conta para a qual quem quiser poderá contribuir com uma determinada quantia, de modo a ajudar a suportar os custos do documento. Os meus sinceros parabéns pela iniciativa.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 20:39link do post | comentar

Obama dá esperança

 

Diário de Notícias


20
Jan 09
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 19:03link do post | comentar | ver comentários (2)

Não vou falar do discurso de Barack Obama, até porque não o ouvi. Não vou afirmar que Barack Obama vai ser o grande salvador do mundo neste princípio de século, ou o contrário. Vou apenas constatar um facto: apesar de Barack Obama ser a cara da mudança na América, é inevitável observar que a sua "inauguration" é o resultado do mundo que Bush enfrentou. Milhões de pessoas obrigadas a segurança apertada, a abrir malas e a deixarem-se revistar, para que nada acontecesse. Há rastos que, por mais que tentemos apagar, ficam para sempre presentes.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 19:00link do post | comentar | ver comentários (1)

Dia 1

 

Público


arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar