A máfia da blogosfera
11
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:16link do post | comentar
Neste momento a Geórgia está por tudo. Com a possibilidade de deixar de existir como estado, isto é, de ser anexada pela Rússia, pede aos EUA uma intervenção diplomática e aos russos um cessar-fogo imediato. A Rússia apenas negoceia quando a Ossétia for sua, ou seja, quando os georgianos saírem de todo o território.
Entretanto, no Conselho de Segurança da ONU, o embaixador americano disse ao russo que o que a Rússia estava a fazer era inaceitável ao que o russo respondeu, por outras palavras, que os EUA não têm moral por causa do Iraque. Toda a razão.
E é assim que isto vai, pessoas a morrer, diplomatas a dar chapadas de luva branca, um país que quer voltar a ter o que tinha e o mundo que quer que tudo fique como está. Onde é que isto vai parar?

10
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:10link do post | comentar
O conflito está a alastrar-se. Agora a Ucrânia está a envolver-se, ameaçando bloquear o acesso dos russos ao seu porto de Sebastopol (na região da Crimeia). A Ucrânia está a habilitar-se a sofrer uma ofensiva russa exactamente por causa da Crimeia, que à semelhança da Ossétia do Sul, é alvo de pretensões territoriais por parte da potência dominante da região.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:52link do post | comentar
Neste momento as tropas georgianas retiraram de quase todo o território. Aí está a prova que era uma guerra que a Geórgia não podia ganhar.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:40link do post | comentar
O Gabriel Silva diz-nos no Blasfémias o seguinte:
«Entre o princípio da autodeterminação das comunidades e o princípio da preservação da integridade do território de um estado, a qual dar preferência quando entram em conflito? Áquele que assegura mais liberdade: o da autodeterminação.»
A questão não é assim tão simples. Quando analisamos aquilo que dá mais liberdade (não vou entrar pela definição de liberdade senão a coisa fica complicada) temos de analisar as várias perspectivas. A nossa liberdade acaba quando começa a alheia e isto é uma máxima a respeitar sempre que a liberdade é discutida. Ao proclamar-se nação a Ossétia do Sul, os seus habitantes terão liberdade no sentido de terem o que querem: não pertencerem à Geórgia. No entanto, esta liberdade vai contra a liberdade dos georgianos de manterem aquele território como seu, afinal, foi-lhes dado e têm o direito a preservá-lo. No meio de tudo isto, e se queremos o máximo de liberdade, o melhor seria que os habitantes da Ossétia que querem fazer parte da Federação Russa dirigem-se para lá e os que querem permanecer georgianos mantêm-se onde estão.

09
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 21:29link do post | comentar

Há quase vinte anos que a Ossétia do Sul é um problema. Ficando a pertencer à Geórgia depois do desmembramento da URSS, manteve sempre uma posição pró-Rússia. No seguimento da guerra de 91-92 proclamou uma independência unilateral (à semelhança da do Kosovo) que nunca foi aceite pela Geórgia.
Mas estas pretensões separatistas não eram o único problema, havia outro e bastante grande: a Rússia. Depois do desmembramento, a Rússia sempre ambicionou recuperar aquele território e fez bastante por isso, basta dizer que a moeda em circulação na Ossétia do Sul é o rublo e uma boa parte da população tem nacionalidade russa.
Ao longo de todos estes anos aquele território permaneceu assim: um país para quem lá morava, uma província para a Geórgia. Até agora.
A Geórgia invadiu a Ossétia do Sul, entrando numa guerra que nunca poderá ganhar dada a participação russa em defesa da Ossétia. Um rato contra uma montanha.
Para ser sincero, o que mais me assusta não é a própria Ossétia e para quem vai: Geórgia ou Rússia. O que me assusta é que a História se repita: como todos sabem, a Primeira Guerra Mundial começou por um simples incidente na Sérvia.

08
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:28link do post | comentar | ver comentários (5)
Ontem à noite houve a tal operação policial em Campolide. Malditos os assaltantes que para além de assaltarem ainda são brasileiros. Por aí, blogosfera e televisão, só se ouve falar do facto de serem brasileiros, dos brasileiros serem violentos (como diz Moita Flores), do facto de um ter morrido (pena de morte informal segundo o João Miranda) e mais não sei o quê. Das duas uma, ou estamos mesmo com falta de notícias ou estamos todos doidos.
Àqueles que fazes questão de mencionar a nacionalidade dos criminosos: isso não interessa. Como diz o Daniel Oliveira, e olhem que é raro concordar com ele, este tipo de conversa só leva à criação de ódios infundados. O que acontece com isto tudo é o pensamento transferir-se do simples "isto já nem se pode andar na rua" para o "malandros desses brasileiros que vêm para cá fazer merda".
Ao João Miranda: orgulho-me imenso de viver no país pioneiro a abolir a pena de morte, orgulho-me igualmente que neste país se tenham mantido algumas áreas cinzentas como a legítima defesa. Preferia o quê? Que morressem inocentes em vez de criminosos?

Adenda: Palminhas, Rui. Concordo com o Shô Menistro.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:55link do post | comentar | ver comentários (1)

Sou um fã incondicional da revista Crítica. Nunca pude aproveitar ao máximo o conteúdo por algumas coisas se pagarem, sendo eu forreta, leio as gratuitas que têm sempre muita qualidade. A revista de Desidério Murcho e companhia criou agora um blogue. Já faltava por cá um bom blogue de Filosofia, procurei durante algum tempo e não consegui encontrar nenhum. Não deixem de visitar.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:41link do post | comentar
Isto é que é uma série! Através do Insurgente fui dar a um post do Luís Oliveira: "A Terceira Via". Está verdadeiramente excelente, na linha daquilo que já aqui deixei. Dá-nos uma impressionante panorâmica sobre os acontecimentos dos últimos anos (alguns deles eu não conhecia) e uma óptima (desculpem, é do hábito) análise. Não deixem de visitar.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 09:19link do post | comentar | ver comentários (5)
Há coisas do diabo. Estava no portal Sapo, que por acaso é a minha página inicial, quando vi um quadradinho que nos remetia para os acontecimentos do dia 08.08.08 (hoje). Aí vejo que um luso-brasileiro chamado Bartolomeu de Gusmão inventou no dia 08.08 mas de 1709 o primeiro balão de ar quente. Este Bartolomeu de Gusmão é o padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão do Memorial do Convento cuja vida documentada pelos historiadores é quase igual à descrita por Saramago. Mais um sinal do brilho deste génio. Vejam a página aqui.

07
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 13:49link do post | comentar | ver comentários (1)
Enquanto uns andam a escrever infinitos elogios ao "modelo escandinavo", eu vou encontrando algumas pérolas que mostram que, afinal, os países daquela península não são assim tão bons. Primeiro foi o artigo de Johan Wennström, agora um compatriota chamado Johan Norberg também põe em causa algumas das "perfeições" escandinavas numa entrevista para a reason.tv.


publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:59link do post | comentar
Passem pelo Sete Vidas e leiam a saudável discussão que lá está a decorrer sobre as declarações de Mário Soares. Alguns comentários são meus. Aqui.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 07:10link do post | comentar

A discussão sobre os Direitos Humanos entre os líderes mundiais parece estar em voga (soa melhor que moda, não?). A troca de galhardetes é impressionante e vem de onde menos se espera. Primeiro foi a China, cheia de moral, que delicadamente fez saber a Mugabe que não seria benvindo. Realmente faz todo o sentido: a China não quer competição para a medalha de ouro do maior genocídio. Agora veio o senhor Bush dizer que quer que na China se respeitem os Direitos Humanos. Oh ironia! Isto veio do Presidente das guerras do Iraque e do Afeganistão e também do Presidente de Guantánamo que é, sem sombra para dúvidas, um paraíso na Terra para todos os que lá moram.
Quem me ler pensará que concordo com os atentados aos Direitos Humanos na China e que acho que Mugabe deveria estar presente nos Olímpicos. Não, não se trata disso. A questão é que é ridiculo ouvir falar de Direitos Humanos pela boca do Presidente Bush e pela administração chinesa (cujo líder desconheço). As declarações caem de tal modo em saco roto que mais valia o silêncio a tamanha falta de vergonha.

P.S.: imagem roubada d' O Arrastão.

06
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 21:43link do post | comentar | ver comentários (1)
O Afilhado foi eleito pelo Pedro Correia como Blogue da Semana. O meu muito obrigado!

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 17:02link do post | comentar
O motorista do Bin Laden foi condenado a prisão perpétua. Resta saber onde anda o indivíduo que lhe pagava o ordenado. Esse malandro, às escondidas é que não jogo com ele!

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 16:45link do post | comentar
O João Caetano Dias escreve no Blasfémias sobre o encontro dos jovens do Bloco de Esquerda. Está simplesmente brilhante. Deixo-vos aqui o texto mas têm de passar por lá para lerem o hino, sim porque aquilo é um verdadeiro hino, ao "bloquismo" (negritos meus).

«Começa hoje e prolonga-se até Domingo a festa de Verão dos jovens do Bloco de Esquerda, este ano chamada Acampamento Jovens Bloco de Esquerda. O programa é muito abrangente. Inclui debates sobre Imigração e Racismo, Bio-combustíveis e Crise Alimentar, LGBT, Feminismo e Combate Social, Drogas Leves e Precariedade entre outros temas todos absolutamente indispensáveis. Há workshops sobre realidades absolutamente relevantes para o mundo moderno, dos quais destaco “Faixas”, “Stencil/Subvertize” e o mais interessante de todos, “Brinquedos Sexuais” (multi-género, espera-se).O Blasfémias quer colaborar com esta louvável iniciativa da Sociedade Civil. Estando imposibilitados de acampar por falta de militãncia activa, resta-nos oferecer à organização e aos jovens do Bloco, um Hino.(...)»



publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 15:26link do post | comentar
Parece que o clip do McCain a comparar Obama a Paris Hilton não caiu bem... à Paris Hilton. Vejam o clip em que a própria goza com o idoso.



publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 10:21link do post | comentar
«Os centros de emprego estão a anular a inscrição de desempregados e a cortar os seus subsídios porque não respondem à convocatória dos serviços, refere um relatório de uma equipa da Provedoria da Justiça.

A maioria dos beneficiários afectados diz que não recebeu a notificação dos centros de emprego. O Ministério do Trabalho não comentou este facto até ao fecho da edição.
(...)»

Em Portugal as prestações sociais são todas atribuídas de uma forma tão organizada que nem percebo como é que os estrangeiros não vêm cá tirar uns cursos de verão sobre a coisa. Até há uns tempos a discussão andava a volta do RSI, agora o fundo de desemprego. A verdade é que é tudo uma parvoíce. Existem imensas pessoas que recebem do fundo de desemprego sem sequer estarem desempregadas, pois têm empregos em actividades não declaradas que lhes permitem um belo rendimento mensal vindo directamente dos impostos de todos. Enquanto que estes recebem muitas vezes quase dois mil euros por mês, outros, por pura falha de organização, nem as cartas recebem para se irem apresentar ao centro de emprego. E é nisto que vai andando o Estado Social e também o Providência, os dois, ambos ferozes oponentes ao Estado Liberal e ao Estado Polícia por estes não serem justos. Incoerências.

03
Ago 08
publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 19:36link do post | comentar
Segui a sugestão do André Azevedo Alves e fui ao IEA. Naquele belo site encontrei uma coisa fantástica:
«Instead of putting immigrants to work and assimilating them to Sweden’s democratic values, they are placed in economically destitute suburbs. It is in these suburbs that immigrants begin hating freedom and start dreaming up ways to set cities ablaze.

In the neighbourhood praised by Le Figaro, Rinkeby, the unemployment rate is 60 percent. A similar Stockholm suburb is Tensta, where unemployment is in the high 50s. Tensta is currently the home of one of the Social Democratic Party’s most renowned immigrant personalities, yet she is set to move due to fear of the violence and Islamic extremism that has taken root in the community. And in a suburb of Malmo, a recent FOX News feature showed young immigrants throwing stones at an ambulance. Yet, for some reason, French journalists manage to claim that ‘the Swedish model of social integration does not appear to create much frustration’.»

Isto é um excerto de um artigo escrito por Johan Wennström (versão em .pdf), que suponho ser sueco, que revela alguns factos desconhecidos da generalidade das pessoas e que coloca o modelo sueco não muito longe da realidade que conhecemos por cá, em algumas áreas. Para dar alguns exemplos, o tempo entre a primeira consulta e uma operação chega a ser de mais de um ano, a taxa de desemprego real pode rondar os 20%, se a Suécia fosse um estado dos EUA seria o mais pobre de todos, as minorias são tratadas de forma priviligiada, ainda mais que cá. Leiam que vale a pena.

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 13:42link do post | comentar | ver comentários (2)
Foi há 40 anos que se deu o incidente que levou à saída de Salazar da Presidência do Conselho.
Vivam as cadeiras de lona do Estoril que ditam o fim das ditaduras!

publicado por Tiago Moreira Ramalho, às 11:31link do post | comentar
Ao que parece, a SIDA (que faço questão de escrever em maiúsculas por ser uma sigla) deixou de estar na ordem do dia. Há outras coisas importantes agora: a crise iraniana, a crise petrlífera, a crise alimentar e a crise ambiental. Mas há uma coisa a recordar: há pessoas a morrer, mesmo! Uma coisa que me deixa algo impressionado é constatar que já passaram tantos, mas tantos anos desde a detecção da doença. Já morreram tantos milhões de pessoas e ainda não há avanços significativos. Continuamos a fazer investigações tremendas para saber superficialidades como a existência de água congelada em Marte enquanto, ao mesmo tempo, em África a toda a hora há mais mortos e mais infectados. Não sou cientista e percebo muito pouco da vertente técnica da questão, mas por favor, há por aí tanto génio e dá-se-lhes tanto dinheiro e ainda não há nada? Para quando um fim para esta peste dos nossos tempos?

arquivo do blogue
2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar